Eternidade

Um dia, sem qualquer aviso, uma trombeta soará lá do céu (leia 1 Coríntios 15:52) e o Senhor voltará nas nuvens com todos os seus santos anjos (leia Mateus 25:31). Um dos anjos jurará que é o fim (leia Apocalipse 10:6), dando início à eternidade, assim como lemos na Bíblia.

A eternidade desafia a imaginação e a compreensão do homem. Não é um objeto, um lugar, ou um período de tempo. Para a humanidade a eternidade tem início, mas não tem fim. Todo o ser humano, desde Adão até o último a nascer, estará na eternidade.

Em Isaías 57:15 lemos que Deus habita a eternidade. Somente ele é eterno, não tendo princípio nem fim. O homem, no entanto, tem princípio, embora sua alma não tenha fim. A eternidade é interminável, sendo o lugar onde a alma ficará para todo o sempre depois desta vida.

A Bíblia começa com estas palavras: “No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1:1). Isto se refere a todas as coisas, visíveis e invisíveis aqui neste mundo (leia Colossenses 1:16-17). Como Deus decretou que tudo isso chegasse a existir, também decretará o seu fim, quando “os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obras que nela há, serão descobertas” (2 Pedro 3:10).

Tudo que o homem faz depende do tempo. Suas decisões e ações são baseadas nele. O tempo, no entanto, apesar da sua grande importância, é totalmente diferente da eternidade. Não há nada que possamos comparar com a eternidade. Ela não pode ser descrita em termos de comprimento, largura, ou altura. Uma vez na eternidade, não existem opções, apelos ou alterações. Ela é inalterável.

Das muitas criaturas e coisas criadas por Deus, somente o homem terá seu corpo transformado e revestido de imortalidade, sendo transportado para a eternidade. E somente o homem recebeu “o fôlego da vida” (leia Gênesis 2:7), tornando-o imortal, como Deus é imortal.

Quando o tempo acabar, a eternidade revelará grandes prodígios, coisas e acontecimentos que somos incapazes de explicar agora. Sabemos que quando o Senhor voltar, “todo o olho o verá” (leia Apocalipse 1:7). Cristo estará sentado num trono e todas as nações se reunirão perante ele (leia Mateus 25:31-32 e 2 Coríntios 5:10). Todos os homens serão julgados de acordo com o livro que contém as suas obras (leia Apocalipse 20:12-13). O incrédulo encara isso como uma impossibilidade. Quando diz que “todo o olho o verá”, isto se refere aos bilhões de almas de todos os cantos da terra, inclusive dos mares — os vivos e os mortos. Somos incapazes de imaginar como será quando as pessoas de todas as nações estiverem reunidas perante o trono de juízo. Aqueles que acham isto impossível devem se lembrar que o tempo terá acabado e na eternidade não existem limitações. Naquele dia distância e tempo não existirão mais.

A Bíblia especifica três aspectos da eternidade, a saber: o juízo, a sentença, e a execução da sentença. O juízo será irrevogável, não cabendo apelos nem clemência. Durante a vida, Deus procura mostrar para o homem a diferença entre o bem e o mal, oferecendo-lhe condições para fazer as pazes com seu Criador. Aqueles que recusarem esta graça, terão que comparecer ao juízo acompanhados por seus pecados, para serem julgados e sentenciados ao castigo eterno (leia 1 Timóteo 5:24). Aqueles que aceitarem a Jesus como Salvador, terão seus pecados julgados já nesta vida, e receberão como recompensa a vida eterna.

Na eternidade haverá apenas salvos e perdidos. Deus determinará o destino de cada um de acordo com a sua aceitação ou rejeição do grande plano de salvação enquanto vivos. E para estas duas classes de pessoas haverá apenas dois destinos: o céu para os salvos e o inferno para os perdidos.

Para aqueles, cujos nomes estão escritos no Livro da Vida, o Juiz eterno dirá: “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34). E para aqueles, cujos nomes não se encontram nos livros, este Juiz dirá: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mateus 25:41).

Esta sentença divina para alguns será uma surpresa muito desagradável. Mas para aqueles que se prepararam para este encontro enquanto vivos, não será, pois morreram com a certeza de que passariam a eternidade com o seu Senhor. Ouvirão com prazer as palavras: “Vinde, benditos de meu Pai”. Aqueles que não se preparam durante esta vida entram na eternidade já condenados. Para eles o juízo será muito terrível (leia Hebreus 10:27). “[Dirão] aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro” (Apocalipse 6:16).

Nesta multidão muitos ficarão decepcionados. “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mateus 7:22-23).

A Bíblia não relata tudo que os salvos podem esperar na eternidade. No entanto, Jesus disse que aqueles que vencerem poderão se sentar com ele no seu trono (leia Apocalipse 3:21), terão vestiduras brancas e não passarão falta de nada (leia Apocalipse 7:15-17). Terão direito a todas as bênçãos reservadas para as almas imortais.

Os que ouvirão as palavras, “Apartai-vos de mim, malditos”, “serão lançados fora, nas trevas, onde haverá pranto e ranger de dentes” (Mateus 8:12), num “fogo que nunca se apaga” (Marcos 9:43), ou seja, “no lago que arde com fogo e enxofre” (leia Apocalipse 20:15; 21:8). Estas almas perdidas estarão cientes de tudo, conhecendo-se umas às outras (leia Lucas 16:23); sentirão os tormentos do fogo do inferno (v. 24); entenderão por que estão neste lugar (v. 25) e se lembrarão da sua vida aqui na terra (v. 28), mas sem a menor esperança de algum dia obter um alívio.

Na eternidade, Satanás, o velho dragão, será derrotado, sofrendo eternamente as consequências de seus terríveis pecados. Na realidade, foi para este fim que o inferno foi preparado (leia Mateus 25:41). Existe algo mais terrível do que passar a eternidade em tormentos constantes na companhia deste ser detestável e com seus anjos desgraçados?

O terceiro aspecto da eternidade foge da compreensão humana. A mente humana percebe tudo em termos de princípio e fim. Mas tratando-se deste assunto, temos que acreditar na veracidade da Palavra de Deus. Ele é o Autor de todas as coisas e a eternidade se torna necessária devido à sua existência eterna.

Se fosse possível um pássaro levar um grão de areia até a lua, voltando em seguida para pegar outro, e assim em sucessivas viagens finalmente transportar toda a terra, a eternidade teria apenas começado e o seu fim ainda estaria tão distante como quando começou. Para os condenados não existe pensamento mais triste. Mas para os salvos é o contrário, pois passarão a eternidade com Deus e seus santos anjos.

Ainda estamos nesta vida e há tempo para resolver aonde passaremos a eternidade.

Prezado leitor, você está preparado para enfrentar a eternidade? Esta pergunta precisa ser respondida ainda nesta vida. Hoje é o dia para se preparar para a eternidade.

A maneira de se preparar é aceitando a Jesus Cristo como Salvador, reconhecendo que foi ele que morreu na cruz do Calvário e depois ressucitou para nos salvar de nossos pecados (leia Romanos 4:25). Aceitá-lo como Salvador é mais do que uma resolução mental. É algo que procede de nosso coração. É uma entrega total à vontade dele. Quando isto acontece, então somos seguidores de Cristo. Andamos com ele. Obedecemos aos seus mandamentos, e ele nos guia com seu Espírito.

Se não aceitamos a Cristo como nosso Salvador, seremos banidos da presença de Deus eternamente. Como correr um risco desses quando a vida é tão incerta e a morte tão definitiva? Sabendo que a eternidade não tem fim, como podemos esperar mais para tomar uma decisão?

Vamos aceitar a Jesus agora!