Como Encontrar a Paz Num Mundo Cheio de Confusão

Paz!

Onde se encontra a paz? Paz para as nações? Paz para nosso lar? E mais importante ainda, paz para nossa própria vida?

Este clamor de desespero tem se ouvido durante toda a história da humanidade. Mas à medida que o mundo vai ficando cada vez mais agitado, mais confuso, este clamor aumenta em intensidade.

Prezado leitor, é este o clamor de seu coração? No meio deste descontentamento e agitação, você deseja sossego? Um sossego capaz de acalmar a sua alma?

O delírio da velocidade, o barulho ensurdecedor, a urgência das muitas atividades e as mudanças constantes têm resultado num círculo vicioso de confusão e caos. Os avanços científicos, cuja finalidade é de tornar este mundo um lugar mais seguro, têm, na realidade, complicado muitos aspectos da vida. Embora a nossa vida em geral seja mais fácil do que a de nossos pais, as nossas preocupações têm aumentado. Somos um povo cansado, preocupado. Sem a menor dúvida, precisamos de direção e bons conselhos. Precisamos de segurança e confiança. Precisamos de paz no coração. É isso que nossa alma deseja.

Uma mente descansada é um dos maiores tesouros que o homem pode possuir. Quando deixamos de lado as nossas frustrações e ansiedades e entramos num estado de sossego e calma, isto pode ser comparado com a aquisição de uma joia de muito valor. A paz interior traz contentamento e felicidade. É uma fonte de ânimo, não apenas para nós mesmos, mas para os outros também.

Será possível encontrar este tesouro num mundo tão cheio de atritos e desespero, num mundo tão agitado e problemático?

Texto completo de: Como Encontrar a Paz Num Mundo Cheio de Confusão

Que grande procura! As multidões estão procurando fama e riquezas, prazeres e poder, estudo e liberdade, achando que isso pode ser a fórmula mágica de uma mente descansada. Enchem a cabeça com conhecimento e o bolso com dinheiro, mas a alma permanece vazia! Outras pessoas tentam fugir da realidade da vida, mergulhando-se em álcool ou drogas, mas a paz que procuram sempre f ica mais na frente. Por mais que se esforcem, acabam presos num círculo vicioso de frustrações e decepções. Continuam vazios e solitários, com a cabeça perturbada, no meio de um mundo cheio de confusão.

A chave desta paz pode-se encontrar nas palavras de um escritor: “Desejamos paz interior, mas não temos coragem de examinar o coração”. Procuramos a causa de nossos problemas nas coisas exteriores, nas coisas palpáveis, e deixamos de olhar no interior, justamente onde o problema reside. Temos medo do que possa aparecer. Gostaríamos de jogar a culpa na situação turbulenta do mundo, mas a solução do problema tem que partir de dentro do coração, o único lugar onde o Grande Médico é capaz de fazer a sua cura.

Deus criou o homem com uma alma vivente. Esta alma deseja estar em comunhão com seu Criador. “Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo” (Salmo 42:1-2). Somente o Deus eterno e seu Filho Jesus, com a Palavra viva, podem satisfazer a sua alma. De uma coisa pode ter a certeza: sua mente não descansará enquanto você não fizer as pazes com Deus.

Embora a alma sinta vontade de aproximar-se de Deus, nossa natureza pecaminosa se rebela contra o Criador. Ficamos divididos, com uma parte do coração desejando estar em comunhão com Deus e a outra parte procurando as coisas deste mundo. Nosso coração é o campo de batalha onde se trava uma guerra interminável. Esta luta interior cria um clima tenso. Somos como “o mar agitado que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e lodo” (Isaías 57:20). Não pode haver paz até que a nossa mente, corpo e espírito estiverem sob o controle daquele que nos criou e nos compreende a fundo. Este Ser supremo, além de ser o Rei da terra, também quer ser o Rei da sua vida. Ele estava pensando em você quando veio ao mundo “para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz” (Lucas 1:79). Como Príncipe da Paz, ele convida a todos: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28). Ao chegarmos a Jesus, receberemos alívio e descanso, numa liberdade que somente ele é capaz de nos dar. Nossa paz será como as águas de um rio (leia Isaías 48:18). Será uma paz viva e forte, uma paz que refresca e que “excede todo o entendimento” (F ilipenses 4:7). Você gostaria de entregar seu fardo a ele e ouvi-lo dizer: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou...Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27)?

Deus criou o homem e o colocou num lindo jardim onde havia tudo para a sua perf eita paz, gozo e felicidade. Mas quando Adão e Eva desobedeceram, imediatamente foram tomados por um sentimento de culpa. Agora, ao invés de sentir prazer em estar na presença de Deus, esconderam-se, cheios de vergonha. Sentimentos de culpa e medo se instalaram onde antes havia paz e felicidade. Foi este o início de um mundo atribulado — e das mentes atribuladas.

A Bíblia nos diz que o pecado da desobediência caiu sobre nós todos. “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas” (Isaías 53:6). “Pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:23). Sentimentos de culpa, temores, impaciência, mágoas, egoísmo e muitos outros, vão nos acompanhando. O resultado é cansaço físico e mental. Devemos dar graças porque Jesus veio ao mundo, “não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (João 3:17). “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (João 3:16). Ele veio para nos dar a paz (leia João 16:33).

A primeira desobediência veio em consequência do desejo do homem de se exaltar. Até hoje, esta é uma das inclinações que mais se vê no homem e que acaba levando-o pelo caminho do desespero e da ruína. Quando damos mais importância a nossos próprios desejos do que à vontade de Deus, ficamos inquietos e insatisfeitos. Quanto mais andamos no caminho do egoísmo, mais a nossa vida se complica.

Ao invés de nos enxergar como o centro da nossa existência, temos que olhar a Deus e permitir que ocupe o lugar central em nossa vida. Quando Deus não está no centro de tudo, coisas insignificantes nos deixam preocupados e temerosos. Por outro lado, quando Deus está no centro, todas as funções da nossa vida partirão dele, como os raios de uma roda, fazendo com que nos sintamos felizes e realizados. Somente o coração que tem Deus no centro pode gozar de paz e firmeza.

O salmista declarou: “Preparado está o meu coração, ó Deus, preparado está o meu coração; cantarei, e salmodiarei” (Salmo 57:7). Confiando em Deus com todo o seu coração, sua mente estava descansada. Quando nosso coração está preparado, como disse o salmista, podemos sentir paz, por mais violenta que seja a tempestade em nosso redor. É possível ficarmos “atribulados, mas não angustiados: perplexos, mas não desanimados” (2 Coríntios 4:8).

Quando Jesus disse: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me” (Mateus 16:24), Ele estava convidando todos os homens a experimentarem uma nova vida de satisfação. “Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; tudo se f ez novo” (2 Coríntios 5:17). Jesus convida: “Vinde a mim.” Você quer aceitar este convite? Ele quer transformar suas trevas em luz, suas dúvidas em certeza, suas lutas em paz, suas tristezas em alegria, seu cansaço em descanso, seu desespero em esperança e sua morte em vida.

Como aconteceu com os nossos primeiros pais, Adão e Eva, os temores e as preocupações começam a tomar conta de nossa vida quando perdemos contato com Deus. Quando conseguimos ver apenas as incertezas da vida e a corrupção deste mundo, a nossa segurança vai água abaixo, a confiança é abalada e a paz foge de nós.

A fé e a confiança são os antídotos contra os temores e as preocupações. Como a mente fica descansada quando confiamos no único Deus verdadeiro, aquele que existe de eternidade a eternidade! Como é maravilhoso ter um amigo que nunca muda e que nunca pára de nos amar! Este amigo sempre se lembra e sempre cuida de nós.

 Por que então andar preocupado? Aprenda a fazer o que se lê em 1 Pedro 5:7, “Lançai sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” Depois da batalha há paz. Por que você não entrega sua vida ao Senhor? Lembre-se, que quem confia não se preocupa e quem se preocupa não confia. “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti” (Isaías 26:3).

Guardar mágoas é um veneno que também rouba a nossa paz, leva ao desânimo e à confusão. Não é fácil perdoar àqueles que foram injustos conosco, mas se quisermos ser perdoados, temos que perdoar. “Porém se não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial não vos perdoará a vós” (Mateus 6:15). Tire todas as mágoas de seu coração, todas as irritações, e permita que Deus coloque seu amor e misericórdia em seu lugar. Somente assim poderá experimentar o perdão e sossego interior.

É possível que você esteja sentindo o peso de seus pecados — um peso insuportável. Se este for seu caso, saiba que não há necessidade de continuar sofrendo. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9). Quando isso acontece em sua vida, a paz de Deus, através do Senhor Jesus, encherá seu coração (leia Romanos 5:1). O rei Davi pecou e sofreu muito em consequência disso. Mas ele confessou seu pecado e Deus o perdoou. Ele permitiu que o grande Médico o curasse através do arrependimento, confissão e perdão. No Salmo 23 ele fala da confiança que sente em Deus. Com palavras lindas, ele descreve a paz que sente, bem como a paz e a comunhão que todos que andam perto do bom Pastor podem gozar em sua vida.

Vejamos:

1) O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. O bom Pastor deu a Davi uma paz que o deixou totalmente feliz e satisfeito. Se procurarmos “primeiro o reino de Deus, e a sua justiça”, todas estas coisas nos serão acrescentadas. Não teremos mais necessidades.

2) Ele faz com que sintamos paz no meio de um mundo confuso. Ele nos guia mansamente às águas tranquilas de seu amor.

3) Aqui Davi se lembra de quando sua alma estava inquieta. O bom Pastor viu seu problema e perdoou seus pecados, restaurando-lhe a sua alegria e paz.

4) Mesmo que as tempestades da vida nos sobrevenham, não temeremos mal algum, porque Deus está conosco. Ele nos liberta, nos protege e nos sustenta.

5) Realmente é maravilhoso como o bom Pastor nos dá de seu amor ao ponto de transbordar na presença de nossos inimigos!

6) As ovelhas deste Pastor têm toda proteção!

Você conhece este Pastor? Crê que tudo que ele fala é verdade? Confia nele? O profeta Isaías nos diz que este amoroso Pastor “apascentará o seu rebanho: Nos seus braços recolherá os cordeirinhos” (Isaías 40:11). Você sente vontade de deixar toda esta confusão e refugiar-se nos braços eternos de Deus? Está disposto a entregar todos os seus pecados a ele, todas as suas tentações e todos os seus temores, e render-se completamente a ele? A escolha é sua. Somente você tem condições de tomar esta decisão.

Quando você chega a Jesus Cristo com todo o seu coração, sua procura pela paz terá terminado. A paz e tranquilidade que você receberá, é apenas para aqueles que nele confiam. Você sentirá o que o poeta sentiu:

Conheço a paz, onde não há paz,

Uma calma no meio da tempestade,

Um esconderijo onde face a face,

Posso encontrar o meu bom Mestre.

                                                              —Ralph Spaulding Cushman

Você pode ter paz no meio de um mundo confuso!

Abra a porta de seu coração para Cristo hoje — agora — e algum dia ele abrirá a porta do céu para você, onde a paz perfeita não terá fim.

 

O Desafio de Escolher Corretamente

As decisões fazem parte da vida. Todos os dias tomamos decisões. Algumas delas são tomadas de uma forma rotineira. Outras, no entanto, exigem mais uma reflexão, uma análise mais profunda. As decisões que julgamos como importantes, tomamos com mais cuidado. Como você sabe se uma coisa é importante ou não?

Quando Deus criou o homem, deu-lhe o direito de fazer escolhas. Este direito — ou melhor, responsabilidade — não pode ser ignorado. As consequências de nossas escolhas também não podem ser ignoradas, pois os efeitos de muitas delas se sentirão na eternidade.

Vejamos algumas das escolhas feitas por personagens bíblicos. Alguns souberam escolher e outros não. Moisés, o homem de Deus, escolheu “antes ser maltratado com o povo de Deus do que, por algum tempo, ter o gozo do pecado” (Hebreus 11:25). Ele estava pensando na recompensa que receberia depois desta vida. Escolher ficar junto com o povo de Deus é uma decisão das mais sábias.

Antes do dilúvio “viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram” (Gênesis 6:2). Eram escolhas carnais que culminaram em sua destruição.

“Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão…e armou as suas tendas até Sodoma” (Gênesis 13:11-12). As terras eram férteis e deu para ganhar muito dinheiro, mas perdeu tudo que possuía na destruição de Sodoma.

Texto completo de: O Desafio de Escolher Corretamente

José, enquanto rapaz, escolheu uma vida de honestidade e pureza. Isto lhe trouxe grandes honras no reino egípcio (leia Gênesis 41:41).

Josué, o servo de Deus, desafiou os israelitas: “Escolhei hoje a quem sirvais” (Josué 24:15), e logo em seguida acrescentou: “Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” O povo respondeu: “Nós também serviremos ao Senhor.” Enquanto temeram ao Senhor e o serviram fielmente, suas vidas prosperaram.

No tempo do profeta Elias, o povo esqueceu-se dos milagres que o Senhor operara em seu meio. Muitos abandonaram o Deus verdadeiro para seguir ao ídolo Baal, o que desagradou muito ao Senhor. Para solucionar este problema, Deus utilizou o profeta Elias para fazer uma demonstração espetacular de seu grande poder. No monte Carmelo, Elias clamou a Deus e fogo desceu do céu, consumindo o holocausto que preparara, assim provando que o Deus dele era o Deus verdadeiro. Ele perguntou ao povo: “Até quando [continuareis] entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; mas se Baal, segui-o.” Depois do fogo cair do céu, o povo prostrou-se e exclamou: “O Senhor é Deus! O Senhor é Deus!” Leia 1 Reis capítulo 18.

Daniel, um rapaz cativo na terra da Babilônia, resolveu “no coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia” (Daniel 1:8). Esta nobre escolha conseguiu para Daniel e seus três amigos — que  fizeram a mesma escolha — o favor de Deus e do rei. Se não tivessem escolhido assim, mais adiante na Bíblia não teríamos as histórias de Daniel na cova dos leões e dos três companheiros de Daniel que foram lançados no forno de fogo ardente.

Jesus contou a parábola do pai que teve dois filhos. Um deles resolveu ficar com sua herança antes da morte do pai e viajar para um país distante (que representa entrar no pecado). Não foi uma escolha feliz. Depois de gastar tudo, caiu em si, reconheceu seu erro, e resolveu humilhar-se e voltar à casa de seu pai. Quão feliz não deve ter sido aquele encontro entre pai e filho! Leia Lucas 15:11-32.

O nosso Senhor Jesus foi preso e levado perante Pilatos. “Se soltares a este, não és amigo de César” (João 19:12). Pilatos estava numa situação difícil. De um lado via César (que representa o mundo) e do outro lado o Senhor da glória. Ele escolheu — e entregou Jesus aos soldados para ser crucificado. Leia João capítulo 19.

Escolher o mundo e seus prazeres leva a pessoa à ruína eterna (leia 2 Pedro 3:10-11).

Escolher fazer parte do povo de Deus ao invés de levar uma vida mundana, é uma boa escolha, uma escolha sábia. Quando escolhemos Cristo como nosso melhor Amigo, ele nos manda um Conselheiro — o Espírito Santo — que nos ajuda a tomar decisões nesta vida.

Prezado leitor, você já escolheu seguir a Jesus? Você o ama mais do que qualquer outra pessoa neste mundo? Já resolveu andar no caminho dele? Já confessou e abandonou seus pecados? Já entregou sua vida a ele? Você prefere o Livro dele acima de qualquer outro livro? É o Livro que você mais lê? Você tem um lugar especial em sua casa, ou qualquer outro lugar, onde medita e mantém comunhão com seu Senhor? Se você entregou sua vida ao Senhor e se ele entrou em seu coração, sua vida é das mais felizes. É um antegosto do céu. Se escolher bem todos os dias, estará no caminho que leva ao gozo eterno.

 

Como Encontrar A Segurança

No fundo do coração todo ser humano deseja segurança. Crianças pequenas muitas vezes têm medo de ficarem sozinhas; no escuro ou em situações e lugares estranhos. A segurança que mais desejam é o abraço de pais amorosos. No aconchego deste abraço sentem-se protegidas e sossegadas. As crianças crescem e amadurecem, mas não perdem o desejo de se sentirem seguras. Este desejo, que faz parte da natureza humana, vem do Criador. Há pessoas que aparentemente não têm medo de nada, mas no íntimo temem o desconhecido, coisas que podem acontecer, como acidentes, doenças e sofrimento. Pensar no que vai acontecer depois desta vida as deixa inquietas.

Deus é o criador do céu e da terra. Fazer o homem foi a parte culminante de sua criação. Ele colocou Adão e Eva, sua esposa, num jardim chamado de Éden. Neste lugar eles eram seguros, felizes e livres. Foi durante este tempo que Satanás apareceu como uma serpente e os enganou. Os dois acabaram pecando. Devido a sua desobediência a Deus, não puderam mais ficar em sua presença. Tiveram que sair do Éden (leia Gênesis cap. 3).

Que mudança mais triste! Antes estavam seguros e sem temores. Viviam na presença de seu Criador. Agora, no lugar de paz interior, havia inquietação, um sentimento de culpa e medo. Ficaram com medo de Deus e se esconderam dele! Esta desobediência, que resultou em sua morte espiritual, os separou de Deus. Depois de perder esta intimidade com seu Criador por um ato de desobediência, Adão e Eva se sentiram arrasados. Somente a convivência com Deus é capaz de preencher o vazio da alma afastada do Criador.

O conflito interior do homem tem provocado muitos conflitos exteriores, inclusive homicídios e guerras. Depois da queda do homem, sempre houve muita confusão neste mundo. Há conflitos entre nações e grupos étnicos, cada um querendo tirar proveito do outro. A nação que hoje é uma potência, amanhã perderá sua predominância. No livro de Daniel lemos que Deus age entre os homens “a fim de que conheçam os viventes que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer” (Daniel 4:17) e que “ele remove os reis e estabelece os reis” (Daniel 2:21).

Texto completo de: Como Encontrar A Segurança

O terrorismo internacional está abalando a segurança de muita gente no mundo todo. Os ataques indiscriminados estão enchendo os corações de temores e dúvidas sobre o futuro.

Todos esperamos ter um futuro de paz e segurança. O sucesso de uma nação depende das bênçãos de Deus. Se os homens se arrependerem de seus pecados e entregarem suas vidas a Deus, ele pode prolongar a tranquilidade (leia Daniel 4:27) daquela nação. William Wilberforce (1759-1833), membro do Parlamento britânico, disse que o futuro da Grã Bretanha “não dependia tanto de suas forças navais e armadas, nem da sabedoria de seus líderes, quanto da certeza de que muitos de seus cidadãos ainda amam e obedecem ao evangelho de Cristo e que suas orações estão sendo atendidas”. A segurança de uma nação depende menos de seu poderio militar e mais de cidadãos justos que temem a Deus.

Nossa segurança pessoal é outro assunto. Podemos ter uma segurança interior, mesmo vivendo no meio de um povo que não respeita Deus. Jesus disse: “O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18:36). Os reinos deste mundo, que são temporários, estão nas mãos de Deus. Nosso relacionamento com Deus é diferente. A felicidade de quem faz parte do reino de Deus não depende da situação da nação em que se encontra. Este reino é muito mais seguro do que qualquer superpotência. Reinos se tornam poderosos e depois entram em decadência, mas Jesus prometeu que ninguém conseguirá arrebatar seus filhos das mãos do Pai (leia João 10:29).

A Bíblia profetiza que “homens maus e enganadores irão de mal para pior” (2 Timóteo 3:13). O futuro não oferece nenhuma segurança. As confusões e os tumultos neste mundo aumentarão cada vez mais com a aproximação da eternidade quando Deus decretará o fim do tempo (leia Apocalipse 10:6). Em 2 Pedro 3:10 lemos que “o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão”. As Santas Escrituras nos informam que naquela hora todo joelho se dobrará e todos comparecerão perante o trono do Juiz eterno para serem julgados. Naquele dia, quando “o céu e a terra passarão” (Mateus 24:35), não haverá poder neste mundo capaz de nos dar segurança. Todos os povos deste mundo estarão perante o Juiz eterno para serem julgados. Não há caverna bastante profunda ou fortificação bastante maciça para proteger aqueles que tentarão fugir da ira de Deus. Não haverá mais meios de transporte. As armas mais poderosas inventadas pelo homem não protegerão ninguém. Não haverá carros de polícia ou de equipes de resgate com sirenes ligados vindo para nos socorrer. Eu e você estaremos na presença do Juiz eterno, sozinhos, para sermos julgados. A nossa única segurança será de ter nossos “nomes escritos nos céus” (Lucas 10:20) no Livro da Vida. Para termos nossos nomes escritos neste livro, temos que nos arrepender dos nossos pecados e crer em Jesus Cristo. Quando isso acontece somos purificados por seu sangue precioso que foi derramado na cruz do Calvário para a remissão dos pecados de toda a humanidade. Quem tem seu nome escrito no Livro da Vida é filho de Deus.

Os filhos de Deus não são isentos de sofrimentos e doenças. Eles morrem como outros mortais, mas deixam esta vida sem temores já que estão seguros nos braços de Jesus. Por mais que tenham que sofrer nesta vida, sabem “que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus” (Romanos 8:28).

Você deseja segurança? No seu íntimo você sente um vazio que não consegue preencher? Por mais que a nossa alma deseje estar com Deus, a nossa carne continua amando o pecado. Sem a paz de Deus, “os ímpios são como o mar bravo, porque não se pode aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo” (Isaías 57:20). Neste conflito, muitas pessoas seguem o caminho mais fácil. Pelo simples fato de não tomar uma decisão de servir a Deus, estão tomando uma decisão de servir aos deuses deste mundo. Passam esta vida sem um compromisso com Deus e finalmente morrem para então enfrentar uma eternidade sem fim.

Uma paz real e duradoura pode ser encontrada somente quando entregamos nossa mente, corpo e espírito àquele que nos criou e nos ama com um amor eterno; àquele que conhece a nossa vida do primeiro até o último momento. Ele é o Rei deste mundo, mas muito mais, deseja ser o nosso Rei pessoal. Ele veio a este mundo “para iluminar aos que estão assentados em trevas e na sombra da morte; A fim de dirigir os nossos pés pelo caminho da paz” (Lucas 1:79). Ele sofreu e derramou seu sangue precioso para que possamos ter paz e segurança.

Você sente o peso do pecado em seu coração? Você se preocupa com o futuro? Tenta não pensar no que acontecerá depois desta vida? Sente que não suporta mais esta vida? Você deseja sentir uma verdadeira segurança no seu coração? Jesus tem a solução: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mateus 7:7). O Senhor tem o remédio certo para curá-lo do seu pecado. Por mais pesado que seja seu fardo, ele oferece alívio. Para ele não há nada impossível. Atos 3:19 nos dá palavras de conforto: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor”. E falando através do profeta Jeremias, Deus faz uma linda promessa: “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais… E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração” (Jeremias 29:11, 13).