Quem está lhe chamando?-É um inimigo ou um amigo?

O cordeiro escutando.

Evangelho de João 10:1-18

Já aconteceu de você ouvir alguém lhe chamar pelo nome, sem saber de onde vinha esta voz? Ou talvez não deu para ouvir direito devido a outros barulhos.

Preste atenção! Saiba que alguém lhe está chamando. Sim, chamando por você!

Quem é você? Qual é seu nome? De onde você veio? Onde você mora? Para onde vai?

Você conhece o nome de sua cidade. É possível que nunca viajou para outro lugar. No entanto, sabe que sua cidade faz parte de um país bem grande, e que os diversos países compõem o mundo.

A Bíblia

Faz mais de seis mil anos que este mundo foi criado. Foi criado por Deus. Ele tem um Livro que chamamos de Bíblia, que conta como ele criou o mundo, o primeiro homem e a primeira mulher. Deus criou o homem em sua semelhança.

Desde aquele dia, muitas crianças já nasceram. E muita gente já morreu. Bilhões de pessoas já nasceram e morreram.

Você é filho de seus pais, mas foi Deus quem lhe fez. Ele fez todas as coisas. Você já parou e pensou na maneira maravilhosa em que Deus criou as coisas, inclusive você?

Seus pais puseram nome em você. Deus sabe qual é o seu nome. Sabe como se chamam todas as pessoas. Não importa a língua que você fala, Ele sabe seu nome. Sabe tudo!

Deus nos criou, e por isso conhece tudo a nosso respeito. Ele nos ama, porque na realidade, pertencemos a ele. Deus é o nosso Pai celestial. Ele se importa conosco muito mais do que os nossos próprios pais.

Deus

Deus sempre existiu. Ele vai viver para sempre. Portanto, a vida que ele nos dá é uma vida que nunca vai ter fim. Está certo, os nossos corpos vão morrer, mas aquela vida dentro de nós, a alma, vive para sempre.

Você conhece a Deus? É possível que você pergunte: “Quem é Deus? Onde ele está?”

Quer saber as respostas a estas perguntas? É claro que quer! Bem no fundo do coração, todos querem saber.

Você nunca viu a Deus, não é isso? Mas isso não quer dizer que ele não existe.

Existe apenas um Deus. Não há lugar para outro, porque Deus é tão grande que enche o céu e toda a terra. Na mesma hora ele está em todo lugar. Deus vive no céu, um lugar lindíssimo. Mas também vive no coração das pessoas que obedecem à sua voz.

Como posso chegar a conhecer a Deus? É isso que você está se perguntando? Deus tem um plano maravilhoso que nos ajuda a conhecê-lo.

Um dia aconteceu um grande milagre. Lá do céu, Deus mandou seu Filho Jesus a este mundo. Ele nasceu neste mundo como um nenê. Cresceu igual a qualquer outra criança e chegou a ser um homem. Só que tinha uma grande diferença: Jesus também era Deus. Durante três anos, andou falando às pessoas sobre o amor de seu Pai. Disse que Deus é Santo e não tolera o pecado.

Foi por isso que Deus permitiu que homens maus cravassem Jesus numa cruz, para nos salvar de nossos pecados. O amor de Jesus era tão grande que morreu para nos salvar!

Jesus é o sacrifício que é capaz de perdoar todos os pecados jamais cometidos, inclusive, todos os pecados que você já cometeu, e os pecados de todas as crianças e adultos neste mundo.

Jesus continua pendurado na cruz? Não! Morreu e foi sepultado. Ficou na sepultura? Não! Depois de três dias ressuscitou, sendo mais poderoso do que a morte. Passou mais uns poucos dias aqui na terra e voltou para o céu. Agora está esperando o dia quando Deus vai acabar com este mundo. Então ele será o Juiz de todas as pessoas.

Você conhece o Evangelho de João? Procura ler o capítulo 10. João escreve aqui as coisas que Jesus falou ao povo. Tudo que ele disse é verdade até hoje. Jesus diz que ele é o Bom Pastor e que dá a sua vida pelas ovelhas. E nós somos as ovelhas, sabia? Suas ovelhas conhecem a sua voz. Chama as ovelhas pelos seus nomes. Elas não seguem um estranho.

O estranho — a outra voz

Quem é o estranho? Aquele de quem devemos fugir! Ele é ladrão! Não gosta das ovelhas. É um mentiroso. Inclusive, ele só sabe mentir. É o diabo, o nosso inimigo. Seu nome é Satanás.

Antes de Satanás ser o inimigo de Deus, ele era um anjo no céu. Mas ficou orgulhoso e começou a querer ser Deus. Foi por isso que começou a brigar com Deus. Alguns dos anjos o ajudaram. Mas Deus, que é mais poderoso, pois tem todo poder, ganhou. Expulsou Satanás e os seus seguidores do céu. É por isso que Satanás odeia Deus.

Mas, como Satanás não pode chegar perto de Deus mais, ele agora fica com raiva das ovelhas de Deus, no caso, nós. Sendo que Satanás pecou, quer que todos pequem. Mas o pecado nunca mais entrará no céu.

Existe um outro lugar. É o lugar que Deus preparou para o diabo e seus anjos. Chamamos este lugar de inferno. O inferno é um lugar de castigo e tormento. É um fogo que nunca se apaga. É o lugar onde o diabo e seus seguidores serão castigados para todo o sempre. É o lugar mais terrível que existe, o lugar para onde Deus vai mandar as pessoas que preferem ouvir a voz de Satanás.

Satanás não quer que pensemos no inferno. Não quer que pensemos em Deus. É por isso que faz o possível de desviar a nossa atenção das coisas de Deus. Satanás quer que escutemos a sua voz.

Você já ouviu a voz de Satanás, bem no seu coração? A voz do estranho?

Às vezes ele faz de conta que tem muitas coisas boas para nos oferecer. Quer que pensemos assim: “Sou melhor do que os outros. Sou mais importante. Quero ficar em primeiro lugar. Quer apanhar? Eu brigo se for preciso. Roubar não tem nada, desde que ninguém me pegue. Que é que tem se eu contar mentiras? Todo mundo mente. Pensar coisas erradas não tem problema. Afinal, ninguém sabe o que penso. Se eu uso palavrão, aí sou homem.”

Você também pode ter pensado, em algum momento de desespero, “Não adianta mesmo, sou ruim demais. Prefiro morrer.”

Esta é a voz do diabo. Ele só sabe mentir. É por isso que quer que nós também mintamos. Ele é ladrão e por isso quer que nós roubemos. Ele é assassino. Por isso quer que odiemos os outros.

Quando você obedece a esta voz, como se sente por dentro? Se sente bem? É claro que não! Deixa a gente toda atrapalhada. Podemos até sentir vontade de sumir. É isso que Satanás quer! Gosta de fazer as coisas no escuro para os outros não saberem que é ele.

Jesus — a voz do bom Pastor

Você conhece a Jesus, o Bom Pastor? Gostaria de ser uma das ovelhas dele? Gostaria de entender quando ele fala?

Mas é claro! E é possível. A primeira coisa é parar de prestar atenção à outra voz.

E agora, quando você está bem quieto, ouvirá a voz mansa de Jesus falando, pedindo que lhe entregue sua vida toda. Vai pedir que você sinta tristeza pelos seus pecados, e que os confesse.

Talvez você já teve momentos em que pensou assim: “O que vou fazer com tantos problemas? Sou tão ruim. Não queria ser assim. Queria sempre ser bom. Queria estar num lugar onde a gente não passa fome, onde as pessoas não adoecem. O que vai acontecer comigo quando eu morrer?”

É possível que você já tenha tido muitos outros pensamentos deste tipo. Aquela é a voz de Jesus lhe chamando.

Há dias em que você está triste, sem saber por quê? Ou às vezes sente uma profunda solidão, mesmo não estando sozinho? Pode ser que você esteja com saudade de Deus, aquele que o criou e lhe ama. Ele é o Bom Pastor, que anda chamando as ovelhas perdidas. Ele chama, chama…,procura, procura… Está procurando você!

Quando este Bom Pastor lhe chamar, responda. Diga-lhe o que está sentindo, que está triste pelos pecados que cometeu. Diga-lhe como se sente, e peça que lhe salve. Quando conversamos com Deus assim, chamamos isto de oração.

Você alguma vez orou ao Deus do Céu? Mesmo que nunca orou antes, ore agora. Ele ouvirá e entenderá. Ele lhe dará a paz que seu coração deseja.

Você gostaria de ser uma ovelha deste Pastor? Ele quer ser seu melhor Amigo. Vai tirar o peso de pecado que está sentindo em seu coração. Ficará tão feliz depois. Será amoroso e bondoso. Aí, ele vai lhe ajudar a acabar com o medo que sente agora.

Mesmo que os outros lhe criticarem por querer ser cristão, lembre que Deus vai lhe ajudar. E mesmo se o estranho voltar para lhe tentar, pode confiar em Jesus. Vai lhe ajudar a vencer as tentações.

Quando você estiver seguro nos braços amorosos do Bom Pastor, será tão feliz. Terá a certeza de que um dia ele lhe levará para o céu, onde estará com Deus por toda a eternidade.

 

Deus Perdoou Os Seus Pecados?

Você foi perdoado?

Seu destino eterno depende da resposta sincera que você dá a esta pergunta. Em Romanos 3:10 a Bíblia nos diz que “não há um justo, nem um sequer”, e no verso 23 lemos que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. Se quisermos nos livrar das consequências terríveis do pecado, é preciso que Deus perdoe os nossos pecados, pois no dia do juízo seremos julgados. “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal” (2 Coríntios 5:10).

Todos nós estamos diante de uma eternidade sem fim. Por isso é de suma importância saber se os nossos pecados estão perdoados. Para entrarmos no céu, nossos pecados terão que ser perdoados. Caso contrário, seremos condenados a passar a eternidade no inferno com o diabo e seus anjos. “E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo... Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mateus 25:31-34, 41).

O perdão vem através do sangue de Cristo

Em vista de tudo isso, o que podemos fazer para salvar a nossa alma? Na realidade, não podemos salvar a nós mesmos; o que podemos fazer é aceitar o plano que Deus tem para nós. Para compreendermos melhor este plano, precisamos compreender como Deus agia com seu povo no tempo do Antigo Testamento. Deus mandou que sacrificassem certos animais, entre eles cordeiros, que simbolizavam Jesus Cristo, que é o Cordeiro perfeito de Deus, o qual iria mais tarde remir o povo de seus pecados ao derramar seu próprio sangue. O derramamento de sangue, que resultava na morte do animal, ajudava as pessoas a compreenderem melhor a seriedade do pecado. Em Efésios 1:7 lemos: “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça”.

“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (1 Pedro 1:18-19). Nosso perdão vem através da morte de Cristo, que derramou seu sangue pelos pecados do homem (leia Hebreus 9:22).

Devemos compreender que por causa dos nossos pecados, somos dignos da morte eterna. Mas por causa de seu grande amor e misericórdia, Jesus assumiu a nossa culpa e morreu em nosso lugar para que possamos ser perdoados e ficar livres das nossas transgressões.

Quem não perdoa se escraviza

Junto com o perdão, Cristo nos dá a sua paz. Para não perdermos esta paz, temos que perdoar ao nosso próximo. Em Mateus 6:14-15, Cristo nos diz: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.

Jesus fala claramente sobre os perigos de não perdoar:

Por isso o reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com os seus servos; e, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; e, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei.

 Então o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida.  Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe devia cem dinheiros, e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves.

 Então o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei.

 Ele, porém, não quis, antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito, e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara.

 Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti?

 E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia.  Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas. —Mateus 18:23-35

Odiar alguém, não perdoar ou guardar uma mágoa, cria uma série de problemas. Para as pessoas que guardam estes sentimentos negativos, a vida perde o gosto e torna-se amarga. As amizades, bem como a própria saúde, são prejudicadas.

Quando não perdoamos àlguém, a nossa alma é escravizada. Muitas vezes o não perdoar resulta numa escravidão, uma amargura, que corrói a nossa alma. É uma prisão cheia de tristeza, ira e contendas; uma prisão na qual não entram alegria, amor e amizade. Esta amargura é a consequência de um espírito egoísta que procura sempre “dar o troco” depois de se sentir injustiçado. Se deixarmos que estas mágoas nos dominem, acabaremos escravizados pelo pecado e afastados de Deus.

Perdoando do fundo do coração

Jesus nos ensina que precisamos perdoar assim como ele nos perdoou. Não podemos condicionar o nosso perdão à gravidade da ofensa, à quantidade de vezes que fomos ofendidos ou às intenções de quem nos ofendeu. Devemos demonstrar misericórdia incondicional, da mesma maneira que Deus se mostrou misericordioso para conosco. Quando nós nos humilhamos e perdoamos ao nosso próximo, Deus abre a porta pela qual precisamos passar para recebermos o perdão pelos nossos próprios pecados e falhas. Deus perdoa de todo coração àqueles que chegam a ele com um coração humilde e penitente.

 Se seguirmos o Espírito Santo, conheceremos a verdade e a verdade nos libertará (leia João 8:32). No verso 36 lemos: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.

“Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações, como na provocação” (Hebreus 3:15). Em Mateus 11:28, Jesus diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. Se seguirmos estes ensinamentos, seremos perdoados e conseguiremos perdoar aos outros.

Chegando a Deus

Agora vem a pergunta: Como chegaremos a Deus? A Bíblia tem a resposta: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer” (João 6:44). Através de seu Espírito Santo, Deus nos mostra que somos pecadores e que precisamos de um Salvador. Não é sempre que entendemos quando Deus nos chama. Pode ser que de início sentimos uma solidão, um vazio em nosso coração; sentimos que alguma coisa está faltando ou que estamos perdidos.

Ao sentirmos que o nosso espírito está inquieto, precisamos abrir o coração para Deus e pedir a sua direção. Os nossos pecados começarão a pesar no coração e provocarão em nós uma grande tristeza. Quando isto acontece, podemos ter a certeza de que Deus está pedindo que entreguemos a nossa vida a ele em verdadeiro arrependimento. Ao ver que o coração está contrito e quebrantado, e que o nosso desejo é fazer toda a sua vontade, ele perdoa o nosso passado pecaminoso e no lugar do peso que sentíamos antes, recebemos paz e perdão (leia Salmo 34:18; Salmo 51:16-17). Como o nosso coração se alegra quando isso acontece! Sentimos vontade de contar aos outros o que Cristo fez em nosso coração.

Isto não é apenas uma manobra intelectual ou mental; é a obra do Espírito Santo no coração que produz uma vida nova. Ele nos dá força para ter fé e confiar em Deus para podermos vencer os nossos próprios desejos errados e perdoar aos outros. 2 Coríntios 5:17 diz: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.

O perdão que a Bíblia ensina é uma coisa linda. Ter fé no sacrifício de Jesus, junto com uma entrega total a Deus e à sua vontade, tira toda a mancha do pecado do nosso coração. Nossos pecados são completamente cobertos pelo sangue derramado de Jesus Cristo. O perdão de Deus nos livra de todas as nossas ofensas e mágoas. Ele purifica a nossa vida e não se lembra mais de nossas transgressões. “E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais” (Hebreus 8:12). Como é maravilhosa a liberdade que sentimos depois que Deus perdoa os nossos pecados e nós perdoamos ao próximo. Você pode experimentar isso em sua vida.

Venha ao Senhor hoje!

 

Um Lar Feliz-Uma Pequena Comunidade Em Si

Um lar tem seu início quando um homem e uma mulher se casam. O lar pode ser um lugar de harmonia e contentamento, como também pode ser um lugar cheio de ressentimentos e atritos. O seu lar é feliz e forte? Ele tem condições de sobreviver as tempestades da vida? A Bíblia nos dá a planta de um lindo lar, de construção sólida e ambiente agradável.

O lar tem uma função social importante. Ele é divinamente ordenado para atender às necessidades físicas do casal, estimular felicidade emocional e desenvolvimento espiritual. Sempre tem sido o plano de Deus que cada membro do lar contribua para a felicidade dos outros, para que as famílias vivam harmoniosamente.

Por que, então, existem tantos lares infelizes? Por que estão sendo destruídos pela desunião? Por que tanta separação? Tantos divórcios? É porque as pessoas têm fugido do plano de Deus. Em sua Palavra encontra-se todo o material necessário para um lar feliz. Quando este material é utilizado, o lar é um lugar de amor, confiança e benevolência mútua, cada membro visando ao bem-estar do outro. Tais lares resultam em vidas felizes e são uma influência positiva na comunidade e na nação. Você está seguindo o plano de Deus, o Grande Arquiteto? “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” (Salmo 127:1).

É durante a juventude que se lança o fundamento para os futuros lares. Uma vida pura perante Deus é um dos principais preparativos para o casamento. Uma vida pecaminosa no tempo de solteiro solapa o alicerce da estabilidade moral e põe em risco a felicidade do futuro lar. Uma vida de egoísmo, de viver de acordo com os desejos carnais, contamina a vida do jovem a ponto de ser dificílimo ter um casamento feliz depois. Os altos índices de divórcio são uma prova indiscutível deste fato. A solução está no arrependimento destes pecados, para poder receber uma vida nova em Cristo. Quando isto acontece, o passado não precisa mais perturbar. As bênçãos de Deus estarão sobre quem age assim.

A Bíblia manda que o casamento “seja no Senhor” (1 Coríntios 7:39). Isto quer dizer que ambos o homem e a mulher entregaram suas vidas e vontades ao Senhor. Deus precisa estar em primeiro lugar. Quando o homem ou a mulher, ou os dois, pensam apenas em si próprios, qual será a base para a sua felicidade?

Casar-se no Senhor não significa apenas que o homem e a mulher sejam cristãos, mas também quer dizer que o Senhor deseja ajudar na escolha. As paixões, atrações físicas e namoros constituem uma base péssima para o casamento. E quando isto acontece, é possível que o resultado seja um casamento marcado por frustrações e atritos. Quando confiamos no Senhor e permitimos que ele nos ajude a escolher o nosso cônjuge, teremos à nossa disposição a sua sabedoria divina, que não vê apenas o presente, mas o futuro também. É possível que ele escolha duas pessoas de gostos e temperamentos diferentes, ciente de que um complementará o outro, criando assim um equilíbrio entre os dois. “E serão os dois uma só carne” (Marcos 10:8).

O casamento é vitalício, ou seja, para a vida toda. Não é apenas um contrato legal que existe entre o homem e a mulher. Jesus foi bem claro quando disse: “Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:6).

O lar é uma espécie de microcomunidade, e como acontece em toda organização, é preciso que cada integrante assuma sua responsabilidade. Na Bíblia, Deus nos dá uma constituição familiar, e quando seguida, traz ordem e felicidade ao lar. A maior responsabilidade é do marido, depois da esposa, e finalmente dos filhos (leia 1 Coríntios 11:3; Efésios 5:22-24). Todo princípio estabelecido por Deus é sagrado, e quando não obedecido, o transgressor sofrerá as consequências. Por outro lado, àqueles que obedecem, Deus concede a sua direção e graça.

No casamento o marido e a esposa assumem um compromisso que confere certas responsabilidades e obrigações a cada um. E para que o lar seja completo, cada um precisa exercer as suas habilidades naturais e cumprir a sua parte. Um dos dois precisa ser o cabeça do lar. Deus outorgou esta responsabilidade ao homem: “Pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo” (Efésios 5:23). Tal amor fica envolto num espírito de altruísmo. É um amor que faz com que o marido trate a sua esposa como a seu próprio corpo (leia Efésios 5:28). Um marido amoroso não encarará a sua esposa como sendo inferior a ele. Muito pelo contrário, confiará nela, procurará seus conselhos, e pelo amor que sente por ela, a receberá como seu igual.

“Semelhantemente, vós, mulheres, sede submissas a vossos próprios maridos” (1 Pedro 3:1). Quando a esposa respeita seu marido como o cabeça do lar, assim como o marido respeita a Cristo como seu cabeça, este lar será um refúgio repleto de paz e contentamento. Em Efésios 5:33 lemos: “E a mulher respeite a seu marido”. Rebeldia contra este princípio tem provocado muita infelicidade nos lares de hoje. Desviar-se deste ensinamento não apenas cria conflitos na vida familiar, mas cria um conflito espiritual na vida da esposa.

Pensamos em nossos filhos como sendo puros e inocentes. No entanto, todas as crianças nascem com uma natureza pecaminosa. E à medida que elas crescem, este egoísmo inerente torna-se cada vez mais evidente. Se os pais não conseguirem aplicar uma boa disciplina na criança, além de tornar a sua própria vida infeliz, tornará muitas outras vidas infelizes também.

A criança tem o dever de obedecer a seus pais. “Filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, pois isto é justo” (Efésios 6:1). Um exemplo perfeito da obediência é a vida de Jesus quando criança. “Então desceu com eles para Nazaré, e era-lhes sujeito” (Lucas 2:51). Quando o princípio da submissão é praticado no lar, como algo normal, os pais e os filhos serão mais felizes, e o ambiente do lar mais agradável.

Quando a ordem de Deus é mantida, os pais viverão para os filhos, os filhos para os pais, e todos para Deus. Tais lares serão um adorno na comunidade e uma contribuição positiva às nações.

Muitos jovens estão se envolvendo com seitas estranhas, drogas alucinógenas, modas e diversões. Estão caindo nas garras de uma sociedade altamente progressista que vem abandonando os valores espirituais e morais que outrora proporcionavam integridade e estabilidade à comunidade. A inquietação e descontentamento dos jovens podem ser atribuídos à ausência de lares felizes e seguros? Há alguma coisa que você pode fazer para melhorar esta situação? Você está ciente de que a felicidade de seu lar depende de você? Da sua lealdade a Deus?

Se quisermos construir lares fortes e felizes, é preciso ter a Jesus Cristo como o alicerce. As chuvas e tempestades da vida podem bater nesta casa, mas estando alicerçada em Cristo, não cairá. Jesus demonstrava um amor muito grande pelo lar. Por isso ele quer entrar em seu lar para que seja feliz. Ele nos dá direção, força e coragem, com as quais nossos lares irão brilhar como um farol num mundo cruel e tenebroso. Vamos deixá-lo entrar? Ele diz: “Eis que estou à porta, e bato” (Apocalipse 3:20). Para entrar no lar, ele bate primeiro na porta do coração. Sem um coração feliz, não pode haver um lar feliz – e sem paz no coração, não pode haver verdadeira paz no lar. Quando confiamos em Deus, podemos superar as irritações e frustrações do dia-a-dia. “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti, porque ele confia em ti” (Isaías 26:3).

Numa família piedosa, todos oram juntos, implorando a ajuda de Deus em seus próprios corações, no lar e na comunidade. A oração une a família. É verdadeiro o ditado: “A família que ora junto permanece junta.”

Creia em Deus e aceite o seu plano para sua vida e para seu lar. Abra a porta de seu coração a Cristo. “Hoje se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações” (Hebreus 3:7, 8). O Senhor está esperando. Quer abençoar seu coração e seu lar. Busque-o com todo o seu coração e permaneça fiel. Algum dia ele abrirá a porta do lar celestial para você poder entrar, onde poderá viver em felicidade e paz perfeita para todo o sempre.